segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Líder continua a morar na Sertã

O técnico José Bizarro foi encontrar no banco de suplentes a solução para levar de vencida o Aliados do Lordelo e manter a liderança (em igualdade pontual com o Tondela) do Campeonato Nacional da 2.ª Divisão (Zona Centro). Na tarde de ontem, os sertaginenses venceram (2-1) a formação nortenha.
Os primeiros minutos da partida foram muito jogados a meio-campo, com as duas equipas a encaixarem bem e a tentarem explanar o seu futebol, assente sobretudo no contra-ataque. Oportunidades de golo nem vê-las e apenas alguns esporádicos lances fizeram acordar os espectadores na bancada.
No entanto, todos acordaram quando nos últimos minutos da primeira parte o Sertanense teve três perdidas incríveis, que poderiam ter aberto o marcador - os jogadores do conjunto do Pinhal pareciam não estar com a pontaria afinada.
Na segunda parte, tudo foi diferente. O Sertanense pressionou mais e as entradas de André Santos e do 'estreante' Danny mexeram com o jogo. Aliás, foi este mesmo Danny, que cinco minutos depois de entrar em campo, marcou o primeiro golo do desafio, numa excelente jogada da linha média sertaginense, que colocou a bola nos pés do cabo-verdiano que, perante a saída do guardião César, lhe fez um chapéu e colocou o esférico no fundo das redes.
O jogo estava animado, mas a vantagem não durou muito, isto porque, aos 72 minutos, Rateira (também recém-entrado) fez a igualdade para o Aliados do Lordelo, através de um livre muito bem executado.
Mas a equipa da casa não baixou os braços e José Bizarro fez saltar do banco Luís Fernando, que cinco minutos depois de entrar, colocou a bola na baliza da formação nortenha, depois de uma jogada algo confusa e de uma bola que atravessou quase toda a grande área sem que ninguém lhe tivesse chegado - e já com toda a defesa do Aliados batida.
Na próxima jornada, os dois líderes defrontam-se: o Sertanense desloca-se a Tondela no próximo domingo, sendo de esperar uma grande partida de futebol.

Ficha de jogo

Campo de Jogos Dr. Marques dos Santos (Sertã)
Árbitro: José Laranjeira (Coimbra)
Sertanense: Paulo Salgado, Hugo Ventosa, Adilson, António, Gil Barros, Idris, Leandro (André Santos, 60'), Casquinha (Danny, 60'), Alex, Toni e Júlio (Luís Fernando, 82')
Aliados Lordelo: César, Vagner, Cristelo, Bezu, Edu, Pedrinho (Rateira, 62'), Vitinha, Poeira, Diogo Torres, Rui Gomes e Pepe
Golos: Danny (65') e Luís Fernando (87'); Rateira (72')

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

As imagens do Sertanense-Olhanense

Aqui fica um 'cheirinho' da reportagem televisiva do jogo que opôs ontem o Sertanense ao Olhanense e que terminou com a vitória dos algarvios, no desempate por grandes penalidades.
video

Sertanense 'de primeira' merecia a vitória

O treinador José Bizarro havia dito antes do jogo que o Sertanense tinha 30 por cento de hipóteses de vencer o Olhanense, mas depois daquilo que se passou ontem no Campo de Jogos Dr. Marques dos Santos ficámos com a impressão de que a vitória só não chegou por manifesto azar e porque o árbitro não viu um penálti claríssimo sobre Hugo Ventosa.
Uma rápida olhadela pelos jornais desportivos de hoje e o que mais salta à vista, na análise ao jogo que colocou frente-a-frente Sertanense e Olhanense, é a injustiça do resultado final. Por exemplo, o jornal Record escreve: “Durante os 120 minutos, os homens da Serra domaram os leões algarvios, faltou-lhes apenas experiência na hora decisiva”. Já o site desportivo Mais Futebol sentencia: “Imperou a lógica, onde ela não devia ter existido. O Olhanense segue em frente na Taça de Portugal, debaixo de uma arbitragem polémica e perante um Sertanense nobre, trabalhador e que teve no prolongamento a passagem da eliminatória. A lógica de o maior vencer imperou, mas as diferenças entre as duas formações foram mínimas – os algarvios estiveram perto de atingir o nível dos da casa”.
E houve mesmo momentos no jogo de ontem em que não se percebeu quem estava na 1.ª Liga e quem jogava na 2.ª Divisão, tal como referiu José Bizarro no final do desafio: “A frustração é enorme depois do que fizemos nos 120 minutos. A nossa 1.ª parte foi simplesmente fantástica, apetecia perguntar qual das equipas era da 1.ª Liga?”.
Sobre a crónica do jogo, voltamos ao jornal Record: “Num terreno em muito mau estado, o jogo começou com os de Olhão no ataque, com Maurício a ver um cabeceamento seu a bater no braço de um adversário. Mas, logo depois, o Sertanense perdeu a vergonha e começou a atacar.
Habituado ao terreno, a equipa de José Bizarro tentou jogar nas desmarcações rápidas do trio da frente. Quando o conseguiu, os remates apareceram, não levaram foi a melhor direcção e Ricardo Baptista raramente se assustou. No entanto, Júlio, preso entre as duas torres da defesa, e os alas Tony e Alex nunca deixaram de incomodar o quarteto defensivo do 3.º classificado da 1.ª Liga.
Daúto Faquirá mudou o esquema para a 2.ª parte (…) e o Olhanense passou a controlar o jogo. Ainda assim, raramente o perigo chegou à baliza de Paulo Salgado. (…) Aos 82 minutos, Ventosa ganhou espaço na área e foi abalroado por Jardel. Pareceu penálti mas o árbitro mandou seguir.
No prolongamento, apesar da pressão, tímida, do Olhanense, o Sertanense podia ter resolvido aos 111’, mas Júlio, completamente isolado, rematou muito torto”.
Nas grandes penalidades, o Olhanense converteu quatro (Djalmir, Cadu, João Gonçalves e Lulinha) e o Sertanense apenas uma (Tony).

Ficha de jogo

Campo de Jogos Dr. Marques dos Santos (Sertã)
Árbitro: Vasco Santos (Porto), auxiliado por João Santos e Alexandre Freitas
Sertanense: Paulo Salgado, Ventosa, Adilson, António, Gil Barros, Idris, Leandro, Leo Oliveira (Casquinha, 46) (André Santos, 117), Tony, Júlio e Alex (Fábio Ferreira, 108).
Treinador: José Bizarro
Olhanense: Ricardo Batista, João Gonçalves, Maurício, Jardel, Carlos Fernandes, Cadu, Vinicius, Rui Duarte (Jorge Gonçalves, 61), Lulinha, Yontcha (Matias 91) e Toy (Djalmir 69).
Treinador: Daúto Faquirá

Disciplina: cartões amarelos para Maurício (17’), Paulo Salgado (38’), João Gonçalves (45’), Gil Barros (81’) e Jorge Gonçalves (105’). O treinador José Bizarro foi expulso do banco aos 90’+2.

Fotos: Paulo Novais (Agência Lusa)

domingo, 17 de outubro de 2010

Matiota deixou-nos…

João Matiota deixou-nos aos 78 anos de vida. O seu nome ficará para sempre ligado à história do Sertanense Futebol Clube e a sua memória permanecerá viva entre todos aqueles que com ele privaram.
Mais do que um símbolo, Matiota tornou-se num dos nomes incontornáveis do futebol sertaginense, primeiro ao serviço do Viação de Cernache e depois do Sertanense. Nestes dois emblemas espalhou o perfume do seu futebol e ensinou tudo o que sabia a diferentes gerações de futebolistas.
No momento em que o vemos partir, torna-se premente recordar a carreira deste jogador/treinador/homem, que nos conquistava com o seu sorriso simples ou com a sua voz inconfundível.
Transcrevemos o texto publicado neste mesmo blogue no dia 6 de Agosto de 2009, onde se recordava a sua carreira: “É um daqueles jogadores que espalhou magia pelos campos de futebol do país e que, finalizada a sua carreira, continuou ao serviço deste desporto como treinador de várias gerações de jogadores. João Matiota foi isto e muito mais e ainda hoje, apesar da doença que o tem consumido, a sua simpatia e dedicação continuam a ser estimadas.

A sua carreira futebolística no nosso país iniciou-se no União de Coimbra. O seu futebol deu logo nas vistas, apesar de na altura também se notabilizar nas provas de natação. Rumou em seguida ao Marco, equipa que trocaria dois anos mais tarde pelo Salgueiros.
No final da década de 1950, o Viação de Sernache (hoje Vitória de Sernache) passou a contar com Matiota. Os anos seguintes foram de confirmação para o jogador, que ajudou este clube durante o período mais áureo da sua história (brilharetes no Distrital de Castelo Branco e na 3.ª Divisão nacional e consequente subida à 2.ª Divisão nacional).
Em 1962, o Viação de Sernache abandonou o futebol e Matiota ficou sem clube. Depois de alguns jogos ao serviço de equipas vizinhas, o jogador ressurgiu já no final desta década ao serviço dos Bombeiros Voluntários da Sertã (BVS), numa equipa onde se destacavam também Ângelo Horta, António da Silva, Aníbal Pires ou Saúl (estes dois últimos foram seus companheiros no Viação de Sernache).
No dealbar da década de 1970, o presidente do Sertanense, José da Cunha e Santos, apostou forte na entrada do clube nas competições oficiais de futebol. Matiota, Amâncio e Aníbal Pires foram, em conjunto com aquele responsável directivo, os grandes obreiros da constituição da equipa, que aproveitava muitos dos jogadores da antiga equipa do BVS.
Matiota acumulava as funções de jogador com as de treinador. Nas contas finais da época de 1970/71, o Sertanense ficou na última posição da prova, somando apenas três pontos (uma vitória e um empate). Matiota participou em todos os oito jogos da equipa, tendo apontado um golo frente à formação do Minas da Panasqueira.
Na época seguinte, ‘arrumou as botas’ e dedicou-se exclusivamente à carreira de treinador. Orientou o Sertanense nas épocas de 1971/72, 1972/73, 1975/76 (na primeira metade da época), 1977/78 (até às últimas jornadas do campeonato), 1981/82, 1982/83, 1983/84, 1984/85 (na parte final da temporada) e 1985/86.Foi também um dos responsáveis pela introdução do futebol jovem no clube (em 1974, orientou a primeira equipa de juniores) e do futebol feminino (treinou a formação organizada em 1975). Depois disso, treinou diversas equipas de jovens do Sertanense ao longo dos anos.
Já em 2009, foi homenageado durante as comemorações dos 75 anos do Sertanense Futebol Clube”.
Adeus Matiota!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Bilhetes para o Sertanense-Olhanense à venda hoje

Os bilhetes para o jogo da Taça de Portugal entre o Sertanense e o Olhanense, no próximo domingo (15h), estão à venda a partir das 18 horas de hoje, no Mini Parque Desportivo do Sertanense.
Os ingressos para esta partida custam 6 euros para os sócios com cotas pagas, 10 euros para a geral, 14 euros para a central e 4 euros para portadores de cartão jovem.
A venda de bilhetes continua amanhã entre as 10 e às 12h e a partir das 17 horas e no Domingo a partir das 10 horas.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Liderança do campeonato nas mãos do Sertanense

E à quarta jornada do Campeonato Nacional da 2.ª Divisão (Zona Centro), o Sertanense assumiu o comando da prova, somando nove pontos. No jogo deste fim-de-semana a formação sertaginense derrotou em Espinho o Sporting local, com um golo apontado pelo defesa Pedro Miguel.
Depois de um início de jogo bastante morno e sem grandes oportunidades de perigo para as duas equipas, o Sertanense começou a subir no terreno e a procurar algo mais do que o empate. Numa dessas situações, Pedro Miguel subiu à área e concluiu da melhor forma um pontapé de canto apontado por Leo Oliveira, fazendo o único golo da partida – o relógio marcava 38 minutos de jogo.
Na segunda parte, o Sporting de Espinho dominou o desafio, tentando chegar ao empate. Contudo, foram poucas as vezes em que o guardião Paulo Salgado foi incomodado e sempre sem grande perigo.
No próximo fim-de-semana, o Sertanense recebe o primodivisionário Olhanense (domingo, às 15 horas), em encontro a contar para a terceira eliminatória da Taça de Portugal. O Campeonato Nacional da 2.ª Divisão só regressa no dia 24 de Outubro, com o Sertanense a defrontar o Aliados do Lordelo.

Ficha de jogo

Estádio Comendador Manuel Violas (Espinho)
Árbitro: João Lamares (Vila Real)
Sp. Espinho: Pedro Miguel, Bessa, Filipe Melo, Correia, Ricardo Correia, Pedro Godinho, Fabinho, Ivan (Barbosa, 72’), Carlos Manuel (Hélder Santos, 82’), Horácio e Clayton (Carlitos, 59’)
Sertanense: Paulo Salgado, Hugo Ventosa, Adilson, Pedro Miguel, Gil Barros, Leo Oliveira (António, 77’), Vasquinha, Idris (Alex, 82’), Fábio Ferreira (André Santos, 45’), Toni e Júlio
Golo: Pedro Miguel (38’)

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Sertanense em boa forma na 2.ª Divisão

O Sertanense voltou a vencer no Campeonato Nacional da 2.ª Divisão (Zona Centro). Este fim-de-semana, a formação sertaginense venceu, com um golo de Toni, o Cesarense e está neste momento no segundo lugar da classificação, com seis pontos.
Visto que não assistimos à partida, aqui fica a crónica de jogo publicada pelo jornal «A Bola»: "Primeira parte fraca, devido às más condições do relvado [a forte chuva também não deve ter ajudado]. Na segunda parte, a equipa da casa melhorou, foi premiada com o golo, mas depois voltou a cair. O resultado estava feito".
No próximo fim-de-semana, o Sertanense desloca-se ao terreno do Sporting de Espinho, que ocupa actualmente a 15.ª posição da tabela classificativa.
Ficha de jogo
Campo de Jogos Dr. Marques dos Santos (Sertã)
Árbitro: Ricardo Lourenço (Portalegre)
Sertanense: Paulo Salgado, Hugo Ventosa, Pedro Miguel, Adilson, Gil Barros, Leandro, Idris, Leo Oliveira (Casquinha, 83'), Fábio Ferreira (Alex, int.), Toni (André Santos, 90+1') e Júlio.
Cesarense: Marco, Américo, Bruno Sousa, Ruizinho, Diogo, Hugo, André (Mauro, 57'), Joca, Toninho (Ricardinho, 73'), Hélder e Eduardo (Letz, 57').
Golo: Toni (47')